domingo, 16 de maio de 2010

Assassinato em Juarez - México

Affair é talvez o mais hediondo de antecedentes criminais de todos os tempos. Em Ciudad Juarez, fronteira norte do México, de El Paso, Texas, mais de 300 mulheres foram mortas de acordo com um ritual imutável: seqüestro, tortura, crueldade sexual, mutilação, estrangulamento. Durante dez anos, a uma taxa média de dois corpos por mês, são descobertos na periferia da cidade amaldiçoada corpos de mulheres, adolescentes e meninas nuas, feridas, desfiguradas. Os pesquisadores mais sérios acham que essa é a ação de dois assassinos em série, psicopatas, que ainda têm de ser encontrados. 

Uma das histórias mais aterrorizantes da literatura contemporânea conta a história de um vampiro em um campo de concentração, sangrando até a morte um após o outro aos seus companheiros de infortúnio. Esta ficção horrível intitulado Entre os mortos. Dozois Gardner e Jack Dann, lutaram muito para publica-la nos Estados Unidos em 1982, porque nenhuma revista de ficção científica se atreveu a oferecer aos seus leitores. Foi uma imaginação demasiado ultrajante e muito insalubre. 
Se este conto de vampiros é chocante para nós, sem dúvida, porque vivemos em um mais ou menos normal do mundo onde tais horrores não acontecem com freqüência. Ao invés, a história parece banal, se vivêssemos em um mundo onde os piores crimes foram aceitos, como seqüestro, estupro, tortura e morte. Um mundo onde a polícia está a proteger os assassinos, que foram seus cúmplices, acusando e ameaçando inocentes, e até mesmo eliminando qualquer pesquisador. Um mundo às avessas, onde as autoridades fecham os olhos e os criminosos estão livres. Em suma, um pesadelo. Exceto por uma coisa: o mundo de horror realmente existe e faz parte da realidade do México. E é tão real quanto as vítimas, as evidências e testemunhos que tenho acumulado ao longo de muitos anos. 
A cena de um dos mistérios mais terríveis, criminosos, de todos os tempos é chamado de Ciudad Juárez, estado de Chihuahua, perto da fronteira E.U.A. Sua população de 1.300.000, é refém de assassinos sem rosto. O que acontece lá é um insulto aos direitos humanos. Mais de 300 mulheres foram raptadas, violadas e assassinadas desde 1993. A maioria delas tinham em comum: pelo menos uma centena são de origem muito pobre, a maioria eram trabalhadores, eram todas pequenas, morenas e tinham cabelos longos. Muitas delas não puderam ser identificadas, todas foram vítimas de violência sexual e, sem exceção, morreram estranguladas. 
Alguns corpos foram encontrados nos bairros do centro da cidade, outros descoberto em terreno baldio na periferia, mas não é um dado seguro: todas foram mortas em outro lugar, depois de terem sido raptadas por semanas. O modus operandi dos crimes é idêntico ao de assassinos seriais. Os assassinatos repetem-se, as crueldades são as mesmas e afetam não só as mulheres adultas, mas também adolescentes e até meninas de 10 ou 12 anos. 
Para as mulheres, Ciudad Juarez se tornou o lugar mais perigoso do mundo. Em nenhum lugar, nem mesmo na América, onde o serial killer é uma legião, as mulheres estão tão ameaçadas. No resto do México, a cada dez vítimas de assassinato, uma é mulher. Em Ciudad Juarez, de cada dez pessoas mortas, quatro são mulheres ... E parece que o número de crimes não quer parar porque, segundo a ONU, a taxa de impunidade no México é quase total. 
Existe apenas uma arma para combater tal flagelo: a memória, o testemunho. Eu nunca me senti tão chateado como ir para onde os corpos foram descobertos. Era como uma quarta dimensão, um sentimento de temor a meio caminho entre realidade e alucinação. 
Esther Chávez Cano, diretor de uma associação contra a violência doméstica, pensa que as mortes continuarão, como a incompetência das autoridades é evidente. 
No entanto, a polícia prendeu um homem cujo nome é Jesus Manuel Guardado, conhecido como "El Tolteca" ea banda "The Driver, acusados de serem assassinos. Mas essas prisões não modificaram a convicção de Chávez: "É um engodo. Não alterar a situação, os crimes vão continuar, e depois da prisão da banda" Los Rebeldes ". Naquela época, foi dito que Eles eram assassinos. E nós pensamos que foi feito com o pesadelo. Mas veja, nós continuamos encontrando corpos de mulheres estupradas, torturadas ... " 
Segundo Chávez, a situação é uma repetição de 1995, quando a polícia prendeu um químico egípcio Abdel Latif Sharif Sharif, acusando-o dos crimes. Um pouco mais tarde capturada uma quadrilha de malandros jovens, "Los Rebeldes", foram chamados de cúmplices de Sharif.
O egípcio está sendo mantido na ala de isolamento da prisão de alta segurança em Chihuahua, capital do estado. Acusado de assassinar uma adolescente, Elisabeth Castro García, foi condenado a trinta anos de prisão na sequência de um processo imperfeito e em fase de revisão. 
Em 1999, usando o telefone da prisão, ele, Sharif, desafiou o procurador-geral, que esteve ao vivo em um programa de televisão. Disse que tem certeza de ser nada mais do que um "bode expiatório" e convocou o Ministério Público a sub-mete-lo ao detector de mentiras.
Sua advogada, Irene Blanco, foi ameaçada de morte, mas não se intimidou. Seu filho, Edward, foi objecto de um atentado e sobreviveu por um milagre. White teve que deixar a defesa de Sharif e deixou a cidade ... 
Segundo o criminologista Oscar Maynez, pelo menos 60 assassinatos cometidos entre 1993 e 1999 foram concebidos "da mesma forma." Considera que é um assassinato cometido por dois "assassinos em massa" diferentes ". Em 1998, o detetive americano Robert K.Ressler, com o FBI, inventor do assassino termo "serial" e da técnica de "profiling" de assassinos seriais, e consultor especialista para o filme O Silêncio dos Inocentes de Jonathan Demme, foi para Ciudad Juarez para investigar estas 300 crimes. Ressler diz em seu relatório que a maioria dos assassinatos de mulheres são o trabalho de dois "serial killer", segundo ele, não são mexicanos, mas, mais provavelmente, americanos ou espanhóis ... 
Em 1999, um dos maiores especialistas mundiais em criminologia, Candice Skrapec, Universidade da Califórnia, concordou que, provavelmente, cerca de 90 assassinatos foram cometidos por um ou dois assassinos em série. 
Porque são desfigurados e mutilados cadáveres?
Por que essa fúria para com as vítimas, um sádico como bárbaras? 
Trata-se de rituais satânicos? 
Que mal orgias de drogas? 
O que os vendedores de órgãos? 
Como os sacrifícios humanos para a filmagem de filmes e realidade (snuff filmes), no qual a vítima é violentada, torturada e assassinada diante da câmera? 
Vários relatos indicam que os assassinos teriam sido protegidos em primeira instância pela polícia de Chihuahua. Em seguida, ele teria contado com o apoio de algumas áreas relacionadas com o tráfico de drogas. 
No final de 1999, encontraram os cadáveres de mulheres e meninas em torno de fazendas pertencentes a traficantes de cocaína. Esta coincidência parece estabelecer uma ligação entre os assassinos e a máfia dos traficantes, por sua vez relacionados com a polícia e os militares.Mas as autoridades recusam-se a orientar a pesquisa desta forma. 
A Comissão Mexicana de Direitos Humanos (CMDH) emitiu, desde 1998, recomendações sobre essas centenas de assassinatos de mulheres, que o Estado tem prestado pouca atenção. Entre os suspeitos está um nome repetido, Máynez Alexander, que tinha sido parte de uma gangue de criminosos e traficantes de drogas, e também foi membro de uma família rica que possui discotecas. Nunca foi incomodado. 
Máynez, assim como outros suspeitos, estiveram entre 1992 e 1998 sob a proteção do governador do Estado de Chihuahua, Francisco Barrio Terrazas, o Partido da Ação Nacional (PAN). Durante seu mandato, os assassinatos de mulheres são multiplicados e adicionados à rotina de violência do Estado, o mais violento no México. Naquela época, Bário Terrazas declarou que esses assassinatos não foram surpreendentes, pois as vítimas estavam andando em locais escuros e usava saias curtas ou roupas provocantes demais. Apesar disso, o presidente Fox, eleito para o papel em dezembro de 2000 como candidato do PAN, nomeou Barrio Terrazas no Ministério da Função Pública para fiscalização das contas, cuja missão é "combater a corrupção e fazer a gestão administração pública. " 
Ciudad Juarez é conhecida por suas inúmeras fábricas "maquiladoras", onde o trabalho barato para montar produtos para exportação. Este trabalho, que vem principalmente do interior do país, é composto principalmente por mulheres. Eles são as únicas que permitem que as famílias vivam, o que perturba as tradições machistas e patriarcais. Mergulhando no trabalho, as mulheres tentam escapar da pobreza. 
A maioria das vítimas eram trabalhadoras.
Desde os anos vinte, a cidade registrou um aumento de distrações noturnas e turismo. Aqui foi onde ele foi criado em 1942, o famoso coquetel margarita ". Os arredores da velha ponte internacional inteiramente dedicado ao lazer, jogos, sexo e álcool. Esta atmosfera, onde o carro toca músicas americanas que são misturadas com rock pesado, rap ou techno, incentiva o uso de drogas. E, aparentemente, ela empurra o crime. À medida que a onda de assassinatos criou uma espécie de emulação misógina e transformou essas matanças esporádicas numa obsessão criminosa: indivíduos que se escondem na escuridão e assassinatos cometidos por um puro desejo de imitação. É o reino dos brutamontes, pervertidos, psicopatas. Muitos jovens masculino "acreditam que a violência contra as mulheres é uma obrigação. Saem de carro durante a noite em busca de presas. 
Hester van Nierop, um estudante de 18 na Holanda, foi seqüestrado em 20 de setembro de 1998. Doze horas depois, seu corpo foi encontrado debaixo da cama de um quarto de hotel na Plaza. Ela havia sido estuprada, torturada e estrangulada. 
Lilia Alejandra Garcia Andrade, mãe de 17 anos de idade, dois filhos, desapareceu em 14 de fevereiro de 2001 após deixar a fábrica. Seu corpo foi encontrado sete dias depois num terreno baldio em frente ao Juarez Plaza Mall. Ela estava semi-nua e enrolada em um cobertor. A autópsia revelou que a adolescente tinha sido assassinada em 19 de fevereiro. Antes de ser estrangulada foi estuprada, torturada e mutilada por cinco dias ... 
Violeta Mabel Alvidrez Barrio, 18, foi seqüestrada em 04 de fevereiro de 2003. Seu corpo foi encontrado, junto com outros dois adolescentes de 16 e 17 anos, quinze dias depois. Mas sua morte remontava apenas de três dias ou quatro, o que significa que tinha estado à mercê dos assassinos sádicos e psicopatas mais de dez dias. 
O Ministério Público acredita que todos estes assassinatos estão ligados, talvez, ao tráfico de órgãos. Dois anos atrás, um cidadão de Ciudad Juárez me disse, preocupado: "Eu não estou surpreso que o governador tenha mandado um grupo de polícia judiciária a fim de ter o cuidado de esconder os assassinatos de mulheres." Alusão ao atual governador, Patricio Martinez, do Partido Revolucionário Institucional (PRI), que, em janeiro de 2001, foi ele próprio vítima de um ataque, e acusou a máfia local. A mulher que tentou matá-lo era um antiga funcionária da polícia judiciária. 
Maria Saenz de Chihuahua Comité para os Direitos Humanos, fez a seguinte observação: antes de 2001, onde foram localizados os corpos das vítimas foram violentadas e estranguladas, mas desde que multiplicou os organismos de investigação, simplesmente desaparecem. As associações registraram cerca de 500 desaparecidos, enquanto os cadáveres encontrados somam 300. 
Acabar com os corpos de mulheres assassinadas tem se tornado uma especialidade da máfia local. O procedimento usual é chamado de "leite" de um líquido corrosivo, composto de cal e ácido dissolve rapidamente carne e ossos sem deixar rastro. "Nenhum traço", que é o lema secreto. Reduzir a nada, apagar, apagar, são as palavras-chave. 
Os corpos nus de três jovens mulheres foram descobertos em 06 de novembro de 2001 em um campo de algodão na periferia da cidade. Um deles era menor de idade, com as mãos atadas atrás das costas e tinha sido decapitada. No dia seguinte, para ampliar a pesquisa, cinco outras vítimas foram descobertas. Instado a encontrar culpados, a polícia de Chihuahua prendeu dois indivíduos que, sob tortura, confessaram serem culpados de oito crimes. O advogado, Arturo Gonzalez Rascon, anunciou que o assunto foi resolvido. Sem ter de realizar uma pesquisa real, os réus submetidos a um processo criminal. Em 14 de novembro, ignorando todas as regras da lei e sob pressão da rua, um juiz cúmplice das autoridades locais, deu um mandato de prisão. Entre a descoberta dos corpos e do ato judicial foi apenas uma semana. Durante esse tempo, os verdadeiros culpados ainda estão foragidos. 
Nesse mesmo dia, 14 de novembro, foram encontrados mais dois corpos de jovens: um no Motel Royal, o outro na cidade de Guerrero. Cinco dias depois, eles descobriram nos arredores da cidade uma outra mulher de 21 anos, Nelly Osorio Bejarano Alma, torturada e estrangulada. 
Não há um arquivo de crimes contra as mulheres cometidos em Ciudad Juárez. As autoridades têm o hábito de abandonar rapidamente a investigação: algo mais do que três meses após a descoberta dos corpos de oito mulheres em um campo de algodão, alguns caminhantes encontraram roupas e objetos pertencentes às vítimas, o que mostra a incrível vontade da polícia. O governador Patricio Martínez lamentou o fracasso de seu antecessor, Francisco Barrio Terrazas, que deixou apenas "sacos de ossos" e "um dossiê sobre os assassinatos." Mas talvez ele tenha algo melhor? 
As autoridades afirmam que entre 1992 e 1998 foram "resolvidos" doze casos de assassinatos em série de mulheres e de 99 casos de críme comum "(paixão, sexo, família, vingança e confronto, ligados ao tráfico de drogas, cometidos  por ocasião do roubo, brigas, ou por razões desconhecidas). Entre outubro de 1998 e fevereiro de 2002 foram cometidos 20 "assassinatos em série de mulheres" e 71 "assassinatos comum. Das 15 primeiras seriam praticamente resolvidos", e 5 sob investigação: o último, 53 foram "esclarecidos" e 18 "estão prestes a ser." 
Mas as autoridades são credíveis? Deve ser lembrado que as condições de assassinato "resolvido" ou "ser resolvido" é enganosa, uma vez que é chamado apenas para pessoas "investigado". A estratégia dos governadores diferentes para "resolver" os assassinatos em série de mulheres em Ciudad Juarez levou a uma série de manipulações e dissimulações que consiste incriminar inocentes, como foram os dois réus  que mataram as 8 vitimas de 06 de novembro de 2001 . 
Outro método utilizado pelas autoridades é matar aqueles que assumirem a defesa dos "bodes expiatórios". 
Procurador Mario César Escobedo Anaya foi assassinado por um comando que admitiu os fatos, porém, foi lançado sob o pretexto de "defender" a agentes de polícia judiciária do Estado de Chihuahua, cujo chefe, o major Alejandro Castro Valles ele usou para prender sem mandado e inocentes torturados. 
Advogados, juízes, procuradores e jornalistas receberam ameaças de morte para dissuadi-los de continuar suas investigações sobre os assassinatos de mulheres. Alguns opositores do governador Patricio Martínez também foram ameaçados ao final do seu protesto: os militantes Esther Chávez Cano e Victoria Caraveo, e o criminologista Oscar Maynez. 
No assassinatos em série de Ciudad Juárez misturam a atmosfera nublada da fronteira e milhares de migrantes, o maquiladoras, a desagregação das instituições, e a violência patriarcal, a desigualdade, a negligência do governo federal, etc. Mas, acima de tudo, esta matéria escura revela o grande poder de traficantes de drogas e a força das suas redes de influência. As ligações entre o meio criminal e económico e o poder político são uma ameaça para todos do México. 
Os documentos e depoimentos de que disponho são devastadores para as autoridades. Eles provam que alguns assassinatos de mulheres foram cometidos durante a orgias sexuais, por um ou mais grupos de pessoas, incluindo os assassinos são protegidos por funcionários das diferentes forças policiais, em cumplicidade com as pessoas em cargos importantes. Estas pessoas estão na vanguarda das riquezas adquiridas muitas vezes ilegalmente, graças às drogas e ao contrabando, cuja rede de influência se espalha como um polvo para todo o país. 

De acordo com fontes federais, seis grandes empregadores em El Paso, Texas, Ciudad Juarez e Tijuana estão no comando de homens armados responsáveis por sequestrar mulheres e levá-los ao estupro, mutilar e matar. Perfil criminológico desses assassinatos estaria próximo do que Robert K. Ressler chama de "matar por diversão" (assassinatos por farra). As autoridades mexicanas estariam conscientes disto a algum tempo e que se recusou a intervir. Esses ricos empresários seriam alguns amigos do Presidente Vicente Fox e têm contribuído para o financiamento secreto de campanha eleitoral que permitiu a Fox  ser eleito presidente, e Francisco Barrio Terrazas, ex-governador de Chihuahua, tornar-se um ministro. Isso explicaria por que não o verdadeiro culpado nunca foi assediado por estes 300 assassinatos em série. 
E as mortes continuam. Neste exato momento, uma mulher pode estar prestes a morrer torturado em Ciudad Juárez....

16 comentários:

  1. EU asisti o filme com a jennifer lopes ,fiquei muito chocado com a brutalidade que eles fazem com essas mulheres,cade as autoridades deste lugar que n fazem nada,vamos fazer alguma coisa que mobilese este pais n vamos ficar parados,não inporta a distancia somos todos irmãos e não podemos ficar de braços cruzados, ANDERSON,RJ

    ResponderExcluir
  2. Eu também assisti ao filme com Jennifer Lopez. Fiquei imaginando, se a ficção já é chocante, o que pensar da realidade cotidiana em que vivem essas famílias. Os testemunhos das sobreviventes são de grande valia, mas só o serão se as autoridades estiverem engajadas em diluir todo esse horror. Apesar de não ser mexicana e não ter vivenciado esses crimes, gostaria que os maiores governantes do mundo, em especial os da América - seja Central, do Norte ou Latina - unissem todas as suas forças contra esses assassinatos bárbaros. O que ocorre em Ciudad Juárez são crimes contra os direitos humanos, são violações, torturas... as mais vis formas de crueldade. Mesmo que não sejamos vítimas diretas desses crimes, é nosso dever como seres humanos de combater esses assassinos. Att, Alana - RS.

    ResponderExcluir
  3. Por um lado, a divisa desses países tem como positividade empresas (multinacionais dos EUA) cujo, geram empregos aos mais necessitados, em especial mulheres que têm como mão de obra sem muitas exigências. Mas nada, nada, compensa a tortura, o sofrimento de seres humanos, tão inocentes como nós mulheres.

    ResponderExcluir
  4. BOM DIA MEU NOME É CLAUDIO ADERCLAN ASSISTIR O FILME HOJE É FIQUEI TRISTE COM ISSO, PORQUE AS AUTORIDADES DOS ESTADOS UNIDOS E DO MÉXICO, NÃO TOMAM UMA PROVIDENCIA SOBRE TUDO QUE SE PASSA NA REGIÃO, DESSE POVO ESSA MULHERES MORTA, MEU DEUS O QUE É ISSO, É ASSIM QUE SAMOS FELIZES NOSSOS IRMÃOS E IRMÃS MORTAS, E NINGUÉM FAZ NADA CHEGA DISSO POR FAVOR MEUS DEUS!!!!!!!!!!! CHEGA SE EU TIVESSE CONDIÇÕES FINANCEIRAS EU IRIA MANDAR UM GRUPO DE MATADORES PARA ACABAR COM ESSES POLÍTICOS, QUE NÃO SABE DE NADA SOBRE A VIDA! EU SEI QUE VIOLÊNCIA NÃO SE RESOLVE COM VIOLÊNCIA, MAIS É A RAIVA QUE EU ESTOU DENTRO DE MIM.

    ResponderExcluir
  5. Hoje resolvir pesquisar sobre o assunto depois de ver o filme,sou mulher e fico imaginando como ainda nos tempos atuais as mulheres ainda são submetidas a esta forma de violencia.Fiquei chocada e imagino que estes crimes ainda estão sem solução por conta dos interesses de alguns que preferem fechar os olhos para essa barbarie principalmente por conta de beneficio proprio.Fica meu repudio e meu protesto.

    ResponderExcluir
  6. Assisti o filme,CHOCANTE...
    tantas perguntas invadem minha cabeça...
    sao respostas vazias...
    Vamos interceder,nossas orações chega a qualquer lugar do mundo..."Deus,cesse toda dor dessas vidas...da-lhes AMPARO,PROTEÇÃO,nao lhe pedimos respostas mas sim o seu olhar de misericordia por este povo..."

    ResponderExcluir
  7. Acabei de assitir o filme, estou perplexo com a impunidade a esses criminosos da cidade de juarez no México. Já passou da hora dos governantes dos países americanos tomarem providencias, já que os governantes locais nã tem competencia, e, até são coniventes com essa situação desumana em que vivem as mulheres dessa cidade.Cade os direitos humanos????????????

    ResponderExcluir
  8. Tanah Yori Mendonça8 de maio de 2011 02:30

    Acabei de assistir o filme, estou CHOCADA!
    Os Direitos Humanos estão de férias prolongadas, já que se estivessem trabalhando estes casos estariam sendo solucionados, mas há de concordar que existem beneficios politicos envolvidos nas causas.
    seria honesto da minha parte confessar que sinto vergonha de ser da américa.

    ResponderExcluir
  9. o filme ainda é leve perto da verdadeira realidade daquela cidade.. o governo não toma providências, mas onde estão as potências mundiais para tomar as devidas medidas diante disso? impunidade.. não. chega..

    ResponderExcluir
  10. Acabei de assistir o filme Cidade do Silêncio com Jenifer Lopez e Antônio Bandeiras, o que me levou a procurar mais informações a respeito do assunto.
    Revoltante, chocante e inadmissível tamanha brutalidade e omissão do governo mexicano diante da gravidade da situação.
    Onde encontram-se os Direitos Humanos? ONU?
    Já que a corrupção, violência tornou-se uma metástese nesse país...a quem recorrer para haver uma justiça digna?

    ResponderExcluir
  11. Meu Deus eu nao to conseguindo acreditar que isso seja verdade.

    ResponderExcluir
  12. Bom dia
    vi por acaso o filme no you tube e constatar que é baseado na realidade é cruel e me faz desacretitar mais ainda no sr humano que só pensa em si e em lucros ,apesar da tecnologia somos pouco evoluidos na questão do respeito ao ser humano ,ao proximo e ao planeta , e é claro lembrar que o brasil tb é um país de violentos e corruptos como o mexico e tantos outros ,muitas coisas precisam ser mudadas na educação basica do homem ou senão teremos um mundo cada vez pior de consumistas e fascinoras de toda especie.

    ResponderExcluir
  13. BOA NOITE EU ACABEI DE VER O FILME NA MINHA CASA FIQUEI CHOCADA COM A ATROCIDADE NO MEXICO E QUE O ESTADOS UNIDOS FECHAM OS OLHOS E NÃO VEEM OS GRITOS,AS LAGRIMAS DE DOR E ÓDIO DESSA MULHERES QUE ESTÃO SENDO ESTRUPADAS E MORTAS E ENTERRADAS OU ATE DESAPARECEM!SERA QUE ELES NÃO TEM FILHAS? NÃO PERCEBEM COMO ELES, COM AS SUAS MENTES, COMO CONSEGUEM DORMIR SABENDO DO RIO DE SANGUE QUE ESTA MANCHANDO ESSE LUGAR! FAMÍLIAS QUE DERRAMAM LAGRIMAS POR NUNCA PODER VER AS SUAS FILHAS! OS GRITOS,OS SUSSURROS DE AFLIÇÃO E DE DOR! SENHOR DEUS PROTEJA E GUARDE ESSAS MÃES E FILHAS!

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Estou em Portugal e acabei de ver o filme "cidade do silêncio". Não queria acreditar que aquela realidade existisse. Mal acabei de ver o filme vim para aqui para a internet pesquisar e estou chocado com o que tenho encontrado. Que o México era um país de corruptos, que na fronteira norte existem muitos problemas, muita violência, muito tráfico, enfim ... eu já sabia mas isto que se passa em Juarez, ... nem quero acreditar como é possível em pleno século XXI. Olho para o meu monitor, olho para os equipamentos eletrónicos aqui em casa e penso: quantas raparigas vão ter de morrer mais, quantas crianças vão ter que trabalhar mais, quanta escravidão vai ter de continuar para nós, no chamado mundo ocidental, termos todos os luxos e tecnologias. É que não é só em Juarez, pensem no que se deve passar na China, noutros países orientais, em países da América latina para que nós, a minoria de ocidentais tenhamos todos os luxos!?
    Estou revoltado e olho para os meus aparelhos com desconfiança esperando que nenhum tenha sido fabricado no México.

    ResponderExcluir
  15. Eu moro no RS e estou chocada, não tinha conhecimento do assunto!!!O que estão fazendo e oque estão pensando os governantes desse país?????? Tamanha barbaridade, não pode continuar acontecendo, aliás nunca deveria ter acontecido! Diziam que o mundo acabaria em 12/12/12, ele já acabando a muito tempo, desde que foram deixados de lado os mandamentos da Bíblia, e os ensinamnetos de Jesus cristo que só fazia espalhar o bem sobre a terra. desde que os estelionatálios, corruptos, assasinos dominaram a terra, é que o mundo stá acabando. palavras de uma pessoa indignada.

    ResponderExcluir